A ECN é uma doença gastrointestinal de intensidade variável e progressiva e apesar de predominar entre prematuros, ela não é exclusiva a eles.

Cerca de 10% dos bebês afetados pela ECN são bebês nascidos a termo. A ECN é uma das emergências cirúrgicas mais frequentes em UTIs neonatal.

A doença é conhecida como ‘doença dos sobreviventes’. As evoluções da medicina neonatal fazem com o que numero de prematuros que conseguem sobreviver as intercorrências causadas pela adaptação da vida extrauterina seja cada vez mais elevado. Por outro lado, novas tecnologias não possibilitaram a redução da incidência nem da ECN e nem da sua taxa de mortalidade, então cada vez é maior o numero de prematuros em risco de serem afetados pela doença que sobrevivem e vem a desenvolve-la.

O infográfico abaixo ilustra de maneira simples como ocorre a ECN.

Por que ele é simples? Porque não menciona que a ECN também ocorre em bebês nascidos a termo (cerca de 10% deles) e que um dos cenários possíveis é o óbito.

A enterocolite necrosante (Código CID P77) é considerada uma doença de óbito evitável por adequada atenção ao recém nascido. Evidentemente que nem todos os óbitos podem ser evitados, mas certamente podem ser reduzidos e é por isso que lutamos.

A classificação de Bell (modificação do estadiamento de Bell por Walsh e Kliegman-1986) ilustra o estagio quanto ao diagnóstico:

  • Estágio IA (sangue oculto)
  • Estágio IB (sangramento franco sem diagnóstico radiológico)
  • Estágio IIA (com diagnóstico radiológico e moderadamente doente)
  • Estágio IIB (com diagnóstico radiológico e toxicidade sistêmica)
  • Estágio IIIA criticamente doente
  • Estágio IIIB perfuração intestinal – cirúrgico